Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes respondidas pelo Dr. Jonas Nunes

Existem aparelhos para medir o mau hálito ou halitose?

Assim como existem diversos elixires que prometem cura, existem também uma série de aparelhos que afirmam medir a halitose mas não são eficazes (alguns estão comercialmente disponíveis e a preços acessíveis na Península Ibérica). Muitos destes aparelhos para uso pessoal apresentam-se como novidades tecnológicas muito recentes mas a verdade é que desde a década de 90 já eram comercializados em países como o Japão (com a designação de Breath Alert, entre outros).

Em primeiro lugar, há que ter em conta que o hálito humano pode conter mais de 3000 compostos gasosos distintos. Até à data, não existe qualquer dúvida de que apenas os aparelhos de cromatografia gasosa podem medir todos os compostos. Todos os restantes, portáteis, etc., como muito, estão capacitados para medir apenas uma parte dos compostos, como por exemplo os que contêm enxofre (e a grande maioria destes aparelhos mede-os de modo pouco fiável). Portanto, o que ocorre, e esta situação pode ser muito lesiva, é que uma pessoa utilize estos aparelhos confiando que está a apurar a existência de mau hálito e o resultado seja um falso negativo (isto é, o aparelho indica que não existe mau hálito mas na realidade existe). E como? Porque os compostos presentes no mau hálito de uma pessoa podem não conter as moléculas de enxofre que estes aparelhos teoricamente medem (alguns exemplos de compostos gasosos frequentes e que não contêm enxofre são o indol, escatol, putrescina, etc.). Caso estes aparelhos portáteis de uso pessoal possuíssem uma fiabilidade elevada, sem dúvida seriam uma grande ajuda para que uma pessoa soubesse, num dado momento, se tem mau hálito.

Em segundo lugar, estes aparelhos portáteis também são pouco estáveis. Frequentemente, pacientes que os compram, dizem que o aparelho, no mesmo minuto, é possível que um diagnóstico de mau hálito seja seguido de um diagnóstico de ausência de mau hálito. Conclui-se que, nos dias de hoje, não passam de causadores de confusão que podem afectar negativamente a autoconfiança e a autoestima.

Aproveito para falar também sobre o aparelho para uso em clínica – o Halimeter. Não é um cromatógrafo gasoso mas sim um detetor/monitor de compostos sulfurados. Foi um aparelho desenvolvido no início dos anos 90 mas que atualmente se considera obsoleto quando comparado com as opções de vanguarda que existem atualmente no que respeita a cromatografia gasosa. Além de que o Halimeter não identifica individualmente cada composto de enxofre (os CSVs), também não mede corretamente a totalidade destes. É uma realidade amplamente reconhecida pela comunidade científica que sensibilidade ao composto de enxofre dimetilssulfuro, por exemplo, é muito baixa.

Portanto, sempre recomendamos que, no caso de alguém querer saber se tem ou não mau hálito, deve primeiro perguntar a um familiar ou amigo (confidente). Se existe a confirmação e se quer saber qual a causa e tratar (ou se o paciente não se sente à vontade em dissipar esta dúvida com o confidente), deverá buscar um departamento clínico que possua um aparelho de cromatografia gasosa de modo a identificar e medir os compostos presentes no hálito.

Dr. Jonas NunesProf. Dr. Jonas Nunes
Doutor e investigador em Halitose