Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes respondidas pelo Dr. Jonas Nunes

Alguma mensagem final?

Sim. Aproveito para falar da missão do Instituto. Temos tomado algumas diligências para que a nossa Consulta do Hálito continue a ser uma referência (a produção de investigação clínica e científica sempre será uma prioridade) e uma realidade conhecida pela maior parte da população, já que, lamentavelmente, nos dias de hoje, ainda são muitas as pessoas cujas vidas são fortemente afetadas por este problema e sofrem um impacto psicossocial negativo.

Como sociedade, ainda necessitamos de falar mais e melhor sobre a halitose. Designadamente, informar sobre a multiplicidade das causas, desacreditando o preconceito associado à falta de higiene e a crença de que o estômago é uma origem frequente do problema. De forma a evitar equívocos dramáticos, é necessário esclarecer que a autoperceção de halitose não significa necessariamente a ocorrência de halitose verdadeira.

Hoje em dia, também é necessário ter presente que padecer de halitose já não é um fatalismo. Um centro clínico especializado que se sirva dos protocolos clínicos mais actuais obtém taxas de êxito superiores a 96%.

A halitose tem de ser encarada, cada vez mais, como um problema médico cuja ocorrência poderá ser a manifestação de uma doença subjacente, não se tratando, por isso, de uma questão meramente estética. Neste contexto, o profissional de saúde deve assumir o papel principal na resolução do problema.

Para uma evolução positiva face à situação atual, existem atitudes a tomar que dependem de todos: das pessoas que padecem de halitose, que não se devem render à patologia, mas procurar tratamento; dos familiares e amigos que devem advertir para o problema e ter um papel proativo na sua resolução; das instituições de ensino da área da saúde, que devem atribuir uma maior importância à halitose nos seus currículos, preparando os profissionais de saúde para a abordagem eficaz da patologia.

Afinal, é bastante evidente que a remissão da halitose, como um fator de perturbação médico e cosmético, traduz-se num ganho visível de qualidade de vida. Este processo, no qual ambas componentes física e psicossocial beneficiam, tem como resultado um indivíduo restabelecido, livre de limitações e que assume um lugar cada vez mais próximo daqueles que ama. É esta a filosofia de consulta pela qual lutamos.

Dr. Jonas NunesProf. Dr. Jonas Nunes
Doutor e investigador em Halitose