Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes respondidas pelo Dr. Jonas Nunes

Que pastilhas ou elixires devo usar para eliminar a halitose ou mau hálito?

É necessário explicar que a grande maioria das pastilhas possuem dois efeitos (como muito): aumentam a salivação (como consequência natural da mastigação) e podem ocultar o mau hálito existente (ao libertar um odor mais intenso: menta, hortelã, etc.). Os pacientes sabem que o efeito é muito curto e portanto seria abusivo conotar estes dois efeitos como “eliminação do mau hálito”. Algum efeito benéfico pode resultar do aumento da secreção salivar em pacientes com a boca seca (mas poucos minutos após a interrupção da mastigação, os problemas anterior voltam: o mau hálito e/ou a boca seca, etc. Portanto, as pastilhas não são uma terapêutica que se recomende para tratar o mau hálito ou problemas de boca seca.

Além disso, o uso continuado de pastilhas pode provocar problemas ao nível da articulação relacionada com a abertura e fecho da boca – a temporomandibular (ruídos, desgaste das articulações, dor, inflamação, etc.) e produzir acidez excessiva no estomago (como reflexo neuronal resultante da mastigação) podendo ocasionar gastrite, úlceras, etc. Existem outras opções para aumentar a secreção salivar, sem provocar estes efeitos colaterais e com maior eficácia a longo prazo e, claro, muitas outras opções para tratar o mau hálito.

Mais recentemente, surgiram pastilhas que contêm antimicrobianos e/ou probióticos. Demonstraram algum grau de eficácia mas o seu efeito é muito limitado – a curto prazo (e podem ser agentes terapêuticos benéficos apenas quando a causa primária do mau hálito está na boca).

Em relação aos elixires, já respondi anteriormente. Um elixir adequado não deve possuir álcool (portanto o utilizador não deve sentir ardor), possui antimicrobianos com eficácia cientificamente comprovada, como o cloruro de cetilpiridínio ou o digluconato de clorexidina ou substâncias que captam maus odores como o lactato de zinco ou o cloruro de sódio. Estes elixires, quando a causa primaria provém mesmo da boca (bactérias orais), têm a sua aplicação e são muito úteis. O problema é que uma parte muito significativa dos elixires comercialmente disponíveis não possui nenhum destes compostos que foram cientificamente comprovados.

Portanto, se uma pessoa utiliza um elixir com fundamento científico duas vezes ao dia e continua a ter mau hálito, a causa não será bacteriana oral, mas sim outra (e não é realista estar confiado nas substâncias mascaradoras que a maioria dos elixires possui de curta duração como a menta). As halitoses devem ser tratadas na sua origem e de modo enérgico (e não mascaradas com cápsulas de azeite floral, menta ou hortelã, chicletes, elixires mentolados, ou outros). Os efeitos benéficos de alguns alimentos com odor agradável (salsa, mirra, etc.), ou certas cápsulas que algumas empresas comercializam, não têm efeito em todas as pessoas e, quando têm, raramente duram mais de 1 hora.

Dr. Jonas NunesProf. Dr. Jonas Nunes
Doutor e investigador em Halitose