A Halitose

O que é, quais as causas e como se diagnostica

Todos os direitos reservados. É proibida a cópia ou transmissão dos conteúdos sem autorização prévia do Instituto do Hálito.

Métodos de diagnóstico

Existem vários métodos que sugerem ou confirmam a presença de halitose. O diagnóstico mais robusto utiliza uma combinação de dois ou mais desses métodos:

Auto-percepção

Reconhecimento e interpretação por parte de uma pessoa de um estímulo olfactivo negativo em relação ao odor do próprio ar expirado. É um método pouco fiável pois as pessoas que sofrem de mau hálito muitas vezes não o sabem.

Provas organolépticas olfactivas

Medição do odor bucal de um sujeito usando o olfacto de juízes/avaliadores humanos. É também um método pouco fiável devido à susceptibilidade dos resultados a factores fisiológicos e psicológicos (expectaticas, grau de atenção, etc.).

Medição dos gases do hálito

Análise objectiva do ar expirado com recurso a aparelhos de análise de gases específicos. Podem ser monitores de gases sulfurados ou aparelhos de cromatografia gasosa.

Provas laboratoriais

Diversidade de técnicas específicas que apurar a presença de compostos de hálito de forma indirecta, como as provas BANA, sensores químicos, prova da β-galactosidase, prova da incubação salivar, monitorização da amónia, método da ninhidrina, Polimerase Chain Reaction (PCR), entre outras.