A Halitose

O que é, quais as causas e como se diagnostica

Todos os direitos reservados. É proibida a cópia ou transmissão dos conteúdos sem autorização prévia do Instituto do Hálito.

Provas organolépticas olfactivas

A medição do odor bucal de um sujeito usando o olfacto de juízes/avaliadores humanos é um método bastante usado em estudos epidemiológicos. Os juízes devem ser previamente previamente testados (confirmação da sua capacidade de perceber odores), treinados (saber aplicar correctamente uma escala) e calibrados (valores similares entre juízes diferentes). As avaliações devem ser realizadas com um intervalo mínimo de 5 minutos entre exames e por mais de um juiz. Uma análise estadística a posteriori deve comprovar a correlação (ex: teste de Spearman) e a concordância (ex: índice Kappa) entre as medições dos distintos juízes. Também é necessário que os examinados sejam instruídos a não comer, beber, fumar, escovar os dentes ou utilizar elixires nas duas horas anteriores ao exame, para melhor controlar eventuais factores de confusão.

No entanto, alguns factores psicológicos e fisiológicos podem influenciar as avaliações organolépticas (jejum, ciclo menstrual, posição da cabeça, grau de atenção e expectativas, etc.). O acto de cheirar é difícil de reproduzir com fiabilidade, pois somente depende de uma inspiração curta e rápida.

Escala de medição da intensidade do odor de Rosenberg, uma das mais usadas.

A medição organoléptica é um método simples e comum para determinar a existência de halitose. No entanto, dificilmente permite um diagnóstico etiológico, apesar de alguns juízes mais treinados conseguirem perceber alguma distinção na qualidade dos odores. Uma das técnicas mais usadas consiste em colocar um tubo de plástico na boca do paciente, com o propósito de prevenir a diluição do ar do habitáculo. Enquanto o paciente expira devagar, o examinador avalia o odor na outra extremidade do tubo. Tratando-se de uma situação bastante constrangedora tanto para o examinador como para o examinado, geralmente é colocado um painel opaco de privacidade entre ambos (com um orifício para o tubo) de forma a não haver contacto visual entre ambos. O odor nasal também pode ser medido ao colocar o tubo numa das narinas, enquanto a outra é tapada com um dedo.

A fiabilidade e reprodutibilidade deste método são problemáticas. A medição realizada por diferentes juízes é uma forma de melhorar a fiabilidade. Quanto à concordância entre juízes, esta pode ser melhorada mediante a estandardização do sentido do olfacto, usando um kit de solução de diferentes odores (ex: T&T Olfactometer). Para uma melhor concordância entre juízes, os pacientes devem abster-se de práticas de higiene oral, fumar, ingerir antibióticos e comidas contendo alho, cebola, e especiarias, anteriormente à medição. Além disso, a concordância entre juízes aumenta se eles próprios também evitam beber café e chá, fumar e usar cosméticos com odor antes das provas organolépticas.

Actualmente, dado o desenvolvimento de novas tecnologias que identificam e medem os compostos presentes no hálito, e o constrangimento causado para ambos paciente e profissional de saúde, as provas organolépticas estão a cair em desuso.