//O Doutor Jonas Nunes, português, dirige em Barcelona uma Unidade Hospitalar de Halitose pioneira na Europa

O Doutor Jonas Nunes, português, dirige em Barcelona uma Unidade Hospitalar de Halitose pioneira na Europa

A primeira unidade especializada no tratamento da halitose aposta numa abordagem multidisciplinar que implica oito especialidades médicas. 

Maio de 2017. Esta nova Unidade Hospitalar do Hálito conta com tecnologia de última geração para a identificação da causa do problema, como a cromatografia gasosa, o biosniffing ou «nariz eletrónico».

A halitose dispõe do primeiro serviço hospitalar especializado para o seu tratamento na Unidad Hospitalar do Hálito do Centro Médico e Hospitalar Teknon. Quando a halitose não é consequência de uma má higiene, requer uma abordagem multidisciplinar para identificar a sua causa e aplicar o tratamento mais adequado. O mau hálito pode ter mais de 80 causas diferentes e ser também um sintoma de alguma patologia não diagnosticada.

Atualmente, os pacientes que sofrem de halitose encontram-se numa derivação constante por parte dos profissionais de saúde para tentarem encontrar uma solução para um problema que tem um grande impacto na sua qualidade de vida. «Há um grande impacto psicossocial por trás do mau hálito: condiciona as relações sociais, pessoais e laborais, e por vezes conduz as pessoas mais sensíveis ao isolamento e à vergonha», comenta o médico-dentista Jonas Nunes, diretor da Unidade do Hálito.

A Unidade do Hálito do Centro Médico Teknon dispõe de uma equipa multidisciplinar (gastroenterologia, otorrinolaringologia, medicina interna, etc.) com o objetivo de integrar numa só unidade o estudo e tratamento mais completo da halitose. A unidade é dirigida pelo doutorado em halitose português, o Dr. Jonas Nunes, também diretor do Instituto del Aliento, centro com sede em Barcelona e uma referência internacional no estudo e tratamento da halitose.

Esta nova Unidade do Hálito põe à disposição dos seus pacientes tecnologia de ponta para a identificação da causa do problema, como o biosniffing —o «nariz eletrónico»— e a cromatografia gasosa, métodos de análise que permitem a separação de gases de uma amostra de ar por adsorção seletiva. Estes aparelhos de estudo molecular permitem identificar qualquer gás presente no hálito humano — atualmente foram descobertos mais de 3.000 —, permitindo a escolha do tratamento adequado dirigido à origem do mau cheiro. «A halitose é uma afeção que sempre foi tratada a partir do sintoma. Com a nova consulta especializada enfrenta-se o problema a partir de uma abordagem multidisciplinar para determinar a origem concreta e encontrar uma solução efetiva», comenta o Dr. Jordi Coromina, médico-otorrinolaringologista na mesma unidade.

Até à data, a equipa dirigida pelo Dr. Nunes diagnosticou e tratou mais de 9.000 pacientes de mais de 90 países com uma taxa de sucesso de 97% através do protocolo HCP Arthyaga, baseado na multidisciplinaridade do tratamento da halitose. Este protocolo premiado obteve a taxa de sucesso mais elevada neste campo, de acordo com as principais bases de dados médicas internacionais.

«Tomámos uma decisão de nos comprometermos quando começámos a reparar no sofrimento elevado (sobretudo psicossocial) que afeta todos aqueles que sofrem do problema e que, enquanto procuravam uma solução, sentiam que a medicina se tinha esquecido deles», explica o Dr. Nunes, que continua: «Essa decisão significou apostar em tecnologia de ponta complexa e dispendiosa, trabalhar arduamente ao longo de oito anos testando protocolos clínicos através de ensaios clínicos multicêntricos em Espanha e em Portugal (Instituto del Aliento/Instituto do Hálito e a Universidade de Sevilha), lidar com transtornos obsessivo-compulsivos relacionados, integrar informação muito escassa, dispersa e, em muitos casos, bastante subjetiva presente na literatura científica, escolher os passos a seguir e uma equipa multidisciplinar (estomatologia, gastroenterologia, ORL, medicina interna, endocrinologia, nefrologia, psiquiatria, entre outros) de forma eficiente. E, finalmente, atrevermo-nos a abrir portas entusiasmando um grupo de pessoas que já tinha consultado anteriormente vários profissionais de saúde, sem sucesso».

Alito cattivo, un tema tuttora tabù

La domanda è: è possibile rilevare quest’alito cattivo? Molte persone lo percepiscono da sè, poiché l’ingestione di determinati alimenti provoca sensazioni di cattivo sapore o di bocca secca, un problema che predispone all’alitosi.Tuttavia, esiste una percentuale significativa di persone che non sono coscienti del proprio alito cattivo o che non lo ritengono un problema ma semplicemente un commento offensivo per chi lo pronuncia. “In questa società si tende a colpevolizzare e a stigmatizzare il malato di alitosi, che si deve sorbire ogni sorta di castigo e commento”, conferma Zumaquero. Il Dottor Jonas Nunes continua dicendo: “il 55% dei pazienti non si accorge di avere l’alito cattivo, ma sono i colleghi, il partner o gli amici a notarlo e a non menzionarlo, perché è un tema tabù”. E aggiunge una cifra sorprendente: “Precisamente il 16% dei pazienti che riceviamo viene per questa ragione: alito cattivo associato alla dieta”.

Sobre o doutor Jonas Nunes

O doutor Jonas Nunes é um dos poucos investigadores que se dedicam exclusivamente ao tratamento do hálito humano a nível internacional. É autor do reconhecido protocolo HCP Arthyaga® para o tratamento da halitose e dirige desde 2007 a equipa do Instituto del Aliento – Breath Research.

Investigador, clínico e docente, é professor honorário do Departamento de Estomatologia da Universidade de Sevilha. Dá conferências e seminários sobre a halitose de forma regular e é responsável por numerosas comunicações científicas.

O seu trabalho de investigação foi reconhecido por especialistas académicos do Reino Unido e Itália, que concederam ao seu doutoramento o grau supremo de Menção Europeia, o European Doctorate, tendo recebido o Prémio de Doutoramento Extraordinário pela Universidade de Sevilha (entre mais de 1.200 teses de doutoramento). Dirige a Unidade Hospitalária do Hálito do Centro Médico Teknon, um dos centroshospitalares mais prestigiados de Espanha, do Grupo Quirón.

De nacionalidade portuguesa, nasceu no Reino Unido em 1980, licenciou-se em Medicina Dentária na Universidade de Lisboa. Visita mensalmente dois centros em Portugal onde trata os casos mais complexos de halitose, em Lisboa (MD Clínica) e no Grande Porto (Clínica Dentária d’Avenida). Atualmente, prepara-se para codirigir duas unidades recém-criadas nas cidades de Londres e Milão.

Comprometido com a sensibilização da halitose, ele a sua equipa foram destacados pelos principais meios de comunicação social espanhóis: TVE, El País, El Mundo, La Razón, Radio Nacional de España, COPE, Cadena SER, entre outros. Foi escolhido pelo famoso jornalista Victor Amela como personagem internacional de destaque na secção «La Contra» do jornal La Vanguardia (15-07-2015). Escreveu o best-seller internacional sobre halitose, Cómo cuidar tu aliento. La guía definitiva (à venda em mais de 30 países) e O Mundo do Hálito a descoberto (Ed. Gradiva).

Sobre a Quirónsalud

A Quirónsalud é o grupo hospitalar mais importante de Espanha e o terceiro da Europa. Está presente em 13 comunidades autónomas, dispõe da tecnologia mais avançada e proporciona uma oferta superior a 6.200 camas em mais de 80 centros, como a Fundación Jiménez Díaz, o Ruber, o Hospital La Luz, a Teknon, a Dexeus, a Policlínica de Guipúzcoa, etc., bem como de uma grande equipa de profissionais altamente especializados e de prestígio internacional.

Trabalhamos na promoção da docência (sete dos nossos hospitais são universitários) e da investigação médico-científica (contamos com o Instituto de Investigación Sanitaria da FJD, o único centro de investigação privado acreditado pela Secretaría de Estado de Investigación, Desarrollo e Innovación).

Da mesma forma, o nosso serviço assistencial está organizado em unidades e redes transversais que permitem otimizar a experiência acumulada nos diferentes centros, e a translação clínica das nossas investigações. Atualmente, a Quirónsalud desenvolve mais de 1.600 projetos de investigação em toda a Espanha e muitos dos seus centros realizam neste âmbito um trabalho de ponta, sendo pioneiros em diferentes especialidades como cardiologia, endocrinologia, ginecologia, neurologia e oncologia, entre outras.

By | 2017-10-02T11:25:50+00:00 Maio 6th, 2017|Notícias|0 comentários

About the Author:

Somos o primeiro centro ibérico com uma abordagem exclusivamente centrada no hálito humano. Cooperamos com profissionais de diversas áreas da medicina e da psicologia com quem compartimos um objetivo comum: o tratamento médico da halitose contemplando as mais de 80 causas que a podem provocar.

Deixe o seu comentário